Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados da Ásia recuaram com atenção para declarações de Trump

Data de criação:

access_time 04/12/2019 - 10:06

Data de atualização:

access_time 04/12/2019 - 11:06
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Ásia fecharam com perdas nesta quarta-feira, com o governo dos Estados Unidos afirmando que o acordo comercial com a China só poderá ocorrer depois das eleições presidenciais de 2020.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 1,25% a 26.062 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,20% a 1.608. O índice Xangai ficou em alta de 0,23% a 2.878. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 1,05% aos 23.135. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,42% a 3.159. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 1,58% a 6.606. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,73% a 2.068. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,43% aos 40.850. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,18% a 11.510.

Nesta terça-feira, o que parecia resolvido acabou pesando com o presidente Donald Trump anunciando que poderá definir as negociações com a China depois da eleição de 2020.

“De certa forma, acho melhor esperar até depois da eleição se você quiser saber a verdade. Mas não vou dizer isso, acho que sim ”, disse em uma entrevista coletiva em Londres, onde participava de uma cúpula da OTAN.

As tensões comerciais podem aumentar ainda mais, depois que o Congresso aprovou na terça-feira, por decisão esmagadoramente, um projeto de Lei condenando a detenção em massa de muçulmanos étnicos na China e pediu sanções contra alguns funcionários responsáveis. Lembrando que na semana passada, a China reagiu duramente a um projeto de Lei assinado por Trump apoiando os manifestantes pró-democracia de Hong Kong.

Em Tóquio, as ações da Fast Retailing caíram 5,21% , depois que a controladora da Uniqlo disse que as vendas caíram mais de 5% em novembro em relação ao ano anterior. As ações da Honda caíram 0,45% e as da produtora de petróleo Inpex perderam 1,31%.

Em Hong Kong, as ações da empresa de tecnologia Sunny Optical caíram 3,49%, e os desenvolvedores China Overseas Land & Investment perderam 3,09%.

Na Coreia do Sul, as ações da Samsung perderam 0,90%.

Na Austrália, as ações da BHP perderam 2,49% e as da Rio Tinto caíram 2,05%.

Nesta terça-feira, Trump propôs tarifas de US $ 2,4 bilhões em produtos franceses em retaliação a um imposto sobre gigantes globais de tecnologia, incluindo Google da Alphabet subiram 0,46%, as da Amazon caíram 0,65% e as do Facebook perderam 0,44%.

Isso segue uma ameaça na segunda-feira de aumentar as tarifas de aço e alumínio da Argentina e do Brasil.

Na China, os dados do PMI da Caixin Composite (que cobrem fabricação e serviços) sinalizaram um sólido aumento na atividade comercial total em novembro. O Índice de Produto Composto passou de 52,0 em outubro para 53,2, para indicar a maior taxa de crescimento em 21 meses. A recuperação foi impulsionada por fortes desempenhos nos setores de manufatura e serviços.

Notavelmente, os prestadores de serviços registraram um aumento sólido e acelerado da atividade no meio do último trimestre de 2019. Isso foi destacado pelo Índice de Atividade de Negócios de Serviços da China, ajustado sazonalmente, passando de 51,1 em outubro para uma alta de sete meses em 53,5 em novembro.

Na Austrália, o crescimento econômico do terceiro trimestre caiu para 0,4% em relação ao trimestre anterior, ante 0,6% nos três meses findos em junho. O banco central australiano descreveu a economia como uma “recuperação suave”.

Tradução ID com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?