Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados da Ásia recuperaram as forças e o coronavírus avança

Data de criação:

access_time 04/02/2020 - 10:03

Data de atualização:

access_time 04/02/2020 - 10:03
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados asiáticos fecharam com ganhos nesta terça-feira, com as ações da China continental voltado para o campo positivo. O temor segue com o coronavírus e com o presidente Xi Jinping declarando guerra  no combate a doença.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 1,21% a 26.675 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,80% a 1.638. O índice Xangai ficou em alta de 1,34% a 2.783. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,29% a 3.156. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,49% aos 23.084. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,37% a 6.948. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,84% a 2.157. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 2,30% aos 40.789. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 1,77% aos 11.555.

Depois da escorregada nas negociações de ontem, as bolsas chinesas voltaram para o positivo mesmo com os resultados preocupantes do coronavírus.

Além da decisão do Banco do Povo da China PBoC, que injetou o equivalente a US$ 172 bilhões em liquidez no sistema financeiro, numa tentativa de estimular a economia, e também com a desvalorização da moeda local, o presidente Xi Jinping disse que “lançamos uma guerra popular de prevenção da epidemia”, ao destacar o novo hospital.

Xi presidiu uma reunião especial do principal órgão do Partido Comunista pela segunda vez desde o início da crise, dizendo ao comitê permanente do Politburo nesta segunda-feira que o país precisa correr contra o tempo para conter a propagação do vírus. Ele também disse que aqueles que negligenciarem seus deveres serão punidos, informou a emissora estatal CCTV.

Hong Kong fechou quase todas as suas fronteiras terrestres e marítimas com o continente à meia-noite, depois que os médicos começaram uma greve exigindo que a fronteira fosse completamente fechada.

Hong Kong foi duramente atingido pela SARS, ou síndrome respiratória aguda grave, em 2002-03, uma doença da mesma família de vírus do surto atual e que muitos acreditam ter sido intensificada pelo sigilo e ofuscação oficiais chineses.

Os últimos números do continente de 425 mortes e 20.438 infecções confirmadas com o novo coronavírus assustam ante os números do dia anterior, 361 mortes e 17.205. Fora da China continental, pelo menos 180 casos foram confirmados, incluindo uma fatalidade, nas Filipinas.

Outros países continuam com as evacuações e restringindo a entrada de chineses ou pessoas que viajaram recentemente no país. Um avião que transportava malaios de Wuhan, capital da província de Hubei, onde a doença estava concentrada, chegou a Kuala Lumpur na manhã de hoje, e as 133 pessoas a bordo deveriam ser rastreadas e colocadas em quarentena por 14 dias, período máximo de incubação do vírus.

De volta aos mercados, em Tóquio, as ações da Panasonic subiram 10,04%,  depois que a empresa divulgou seu primeiro lucro trimestral em seus negócios de bateria com a Tesla, que viu suas próprias ações dispararem 20% na segunda-feira.

Ainda em Tóquio, as ações da Screen Holdings subiram 4,36%. Na contramão ficaram as ações da Nomura, queda de 2,76%.

Em Hong Kong, as ações da Sunny Optical subiram 4,83%, as da AAC subiram 0,61% e as da Tencent subiram 3,42%.

Na Coreia do Sul, as ações da Samsung subiram 2,97% e as da fabricante de chips SK Hynix avaçaram 2,53%.

Na Austrália, na reunião de hoje, o Conselho do Banco Central decidiu deixar a taxa de juros inalterada em 0,75%. As perspectivas para a economia global permanecem razoáveis. Há sinais de que a desaceleração do crescimento global, que começou em 2018 está chegando ao fim. Espera-se que o crescimento global seja um pouco mais forte este ano e em 2021 do que em 2019 e a inflação permaneça baixa em quase todos os lugares.

Uma fonte contínua de incerteza, apesar dos recentes progressos, é a disputa comercial e tecnológica entre os Estados Unidos e a China, que afetou os fluxos e investimentos internacionais do comércio. Outra fonte de incerteza é o coronavírus, que atualmente está afetando significativamente a economia chinesa. É muito cedo para determinar a duração do impacto. O dólar australiano permanece baixo.

Tradução ID com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?