Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

(Correção) Mercados da Europa fecham em campo negativo

Data de criação:

access_time 19/01/2021 - 15:43

Data de atualização:

access_time 19/01/2021 - 16:05
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices das principais bolsas da Europa fecharam as negociações desta terça-feira (19) no vermelho. A realização de lucros ocorreu como as atenções voltadas para o cenário político dos Estados Unidos, bem como para a pandemia de coronavírus. Nesta terça-feira, as ações das empresas varejistas, de viagens e bancos foram as que mais caíram.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,19% aos 407.92 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,11% aos 6.712 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,24% aos 13.815 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,33% aos 5.598 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,25% aos 22.441 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,67% aos 8.199 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,35% a 5.077 pontos.

Na Alemanha, a pesquisa econômica ZEW mostrou que o sentimento dos investidores na maior economia da Europa aumentou mais do que o esperado em janeiro. No entanto, a perspectiva de bloqueios mais longos manteve os investidores nervosos, já que a chanceler alemã Angela Merkel e os primeiros-ministros concordaram em estender o bloqueio para a maioria das lojas e escolas até 14 de fevereiro, disseram fontes à Reuters.

Entre as ações com perdas ficaram as da mineradora Rio Tinto, queda de 0,95%, mesmo com o aumento nos embarques de minério de ferro no quarto trimestre.

Ainda em Londres, o primeiro-ministro, Boris Johnson, que ocupa a presidência rotativa do G7, convidou a Coreia do Sul, Índia e Austrália para a cúpula em junho. Além disso, os relatórios sugerem que Johnson pretende mantê-los no bloco. Demais membros, como Alemanha, Japão, França e Itália, são contrários.

Já na Itália, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, sobreviveu ao voto de confiança na Câmara dos Deputados ontem, e o desafio de hoje está no Senado.

Sobre os Estados Unidos, as atenções estão voltadas para a posse do presidente eleito, Joe Biden, que acontece nesta quarta-feira (20) em Washington, DC., sob o maior esquema de segurança da história americana. O presidente Donald Trump também será lembrado como o primeiro a não participar de uma entrega do governo e deverá deixar a Casa Branca ainda pela manhã.

Entre as ações com ganhos na bolsa de Paris ficaram as da Alstom, alta e 6,04%, Sanofi, alta de 1,96%, as da Danone, alta de 2,67% e as da Engie, alta de 0,70%. Na contramão ficaram as ações da ArcelorMittal, queda de 4,86%, as do Carrefour, queda de 2,98%, e as da Hermes Internacional, queda de 2,84%.

Na Alemanha, o Indicador ZEW de Sentimento Econômico avançou na atual pesquisa de janeiro de 2021 em 6,8 pontos para uma nova leitura de 61,8 pontos. A avaliação da situação econômica na Alemanha aumentou um pouco e atualmente está em menos 66,4 pontos, 0,1 pontos a mais do que em dezembro de 2020.

Na Alemanha, os preços ao consumidor subiram 0,5% na média anual em 2020 em comparação com 2019. O aumento foi nitidamente inferior ao nível relevante no ano anterior (2019: + 1,4%). O Escritório Federal de Estatística (Destatis) também informou que uma taxa anual inferior de aumento de preços foi medida pela última vez em 2009, durante a crise financeira e econômica (+ 0,3%).

Na Italia, os dados dessazonalizados de novembro de 2020, comparativamente a outubro de 2020, subiram 4,0% para os fluxos de saída e alta de 3,3% para os fluxos recebidos. As exportações subiram tanto para os países da União Europeia (+ 4,8%) como para os demais países (+ 3,2%). As importações também subiram em 2,6% para os países da UE e 4,2% para os países terceiros.

*Por Ivonéte Dainese com Reuters e relatórios

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?