Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mirae Asset destaca Vale, Petrobras, Engie e Cemig

Data de criação:

access_time 21/07/2020 - 10:13

Data de atualização:

access_time 21/07/2020 - 10:13
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os analistas da Mirae Asset, no relatório desta terça-feira, destacaram a Vale com o resultado da produção. Houve aumento na produção de minério de ferro no segundo trimeste em 5,5% no comparativo anual. Negócio entre a Petrobras, a Engie e o fundo canadense, bem como a decisão da Cemig em manter duas UHEs,  também estão entre os destaques.

VALE ON

A produção de minério de ferro da Vale no 2T20 somou 67,6 milhões de toneladas, aumento de 5,5% na comparação com o mesmo período do ano passado e de 13,4% em relação ao 1T20. Apesar de efeitos negativos relacionados à pandemia do coronavírus. Ainda informou que em junho/20, a extração de minério de ferro ficou acima de 25 milhões de toneladas, apresentando forte aceleração em relação aos níveis de abril e maio e entrando em um período sazonalmente forte, com níveis mais baixos de chuva. Segundo a Vale, o empreendimento S11D, no Pará, atingiu um “run-rate” de 91 milhões de toneladas em junho, que provavelmente melhorará no 2S20, “em direção a uma produção anual ligeiramente acima” de 85 milhões de toneladas. Os impactos relacionados à Covid-19 somaram 3,5 milhões de toneladas no 2T20.

A Vale manteve o guidance para a produção de finos de minério de ferro em 2020 inalterado em 310-330 milhões de toneladas, mas salientou que o cenário mais provável é que “fique na extremidade inferior” da meta. A produção de pelotas foi de 7 milhões de toneladas, com queda de 22% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os embarques de minério de ferro forma de 61,6 milhões / ton. em linha com a expectativa de mercado.

“O número de produção foi um pouco mais fraco, mas em linha com a expectativa de mercado, e não houve surpresa. Esperamos que atinja ao redor do patamar inferior do guidance. Esperamos margens crescentes para o 2T20 e para o restante do ano, devido a forte alta do preço do minério de ferro e da desvalorização do Real em relação ao dólar.”

A recomendação para a Vale ON é de COMPRA ao preço-justo: R$ 67,84. Upside: +12%.

CEMIG PN

A Cemig tem interesse em prorrogar as concessões das  UHEs Emborcação e Nova Ponte pelo regime de produção independente, fora do regime de cotas. De acordo com a companhia, a declaração de interesse foi protocolada pela subsidiária de geração e transmissão Cemig GT na última sexta-feira, visando assegurar o direito “à eventual prorrogação dos contratos de concessão sob novas condições, ainda pendentes de definição”. A Cemig GT possui as concessões de ambas as usinas até 23 de julho de 2025. A hidrelétrica Emborcação está localizada no rio Paranaíba e possui potência instalada de 1.192 megawatts (MW), enquanto a usina Nova Ponte fica no rio Araguari e conta com potência instalada de 510 MW.

“Notícia levemente positiva para a empresa. Continuamos recomendando a compra da Cemig, para um horizonte de médio / longo prazo, com expectativa de recuperação na demanda com maior intensidade a partir do 4T20.”

A recomendação é de COMPRA ao preço-justo: R$ 13,11. Upside: +13%.

PETROBRAS PN/ENGIE ON

A estatal brasileira informou que celebrou contrato de compra e venda de ações, referente a sua participação remanescente de 10% na Transportadora Associada de Gás com o grupo formado pela ENGIE e pelo fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ). O valor da transação foi de R$ 1,1 bilhão. Considerando o desconto de R$ 110 milhões já recebidos em junho a título de dividendos e os demais ajustes previstos em contrato, a transação foi concluída pelo valor de R$ 1,0 bilhão.

Ao comparar o valor desta operação com o valor da alienação de 90% da TAG ocorrida em junho de 2019, é necessário considerar que a dívida da TAG aumentou de R$ 2 bilhões para R$ 23 bilhões, o que gerou um pagamento de R$ 2 bilhões em favor da Petrobras, já considerados no montante total divulgado no fechamento da venda da participação de 90%, conforme divulgado no resultado do terceiro trimestre de 2019.

A TAG é uma companhia que atua no setor de transporte de gás natural, detendo atualmente autorizações de longo prazo para operar e administrar um sistema de gasodutos de cerca de 4,5 mil km de extensão, localizados principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, com capacidade instalada de 75 MMm3/d. O grupo formado pela ENGIE e pelo CDPQ já detinha 90% de participação na O grupo formado pela ENGIE e pelo CDPQ já detinha 90% de participação na TAG, adquirida da Petrobras em junho de 2019.

“Notícia positiva para a Petrobras e para a Engie. Continuamos recomendando a compra da Petrobras e da Engie. Petrobras pela venda de ativos não estratégicos e desalavancagem e Engie pelo aumento de participação em novos negócios.”

A recomendação para a Petrobras PN é de COMPRA ao preço-justo: R$ 25,78. Upside: +13%.

A recomendação para a Engie ON é de COMPRA ao preço -jsto: R$ 48,00. Upside: +8%.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?