Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Números da China pesam nos mercados acionários

Data de criação:

access_time 07/06/2021 - 10:34

Data de atualização:

access_time 07/06/2021 - 10:34
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Ásia ficaram divididas nesta segunda-feira (07/06). No radar ficou a balança comercial da China, em dia de agenda global enfraquecida.

Índices: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,45% aos 29.019. O Xangai, China, ficou em alta de 0,21% aos 3.599. O Shenzhen Composite ficou em alta de 0,26% aos 2.413 e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 0,28%. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em alta de 0,44% aos 52.328. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,27% aos 28.787. O índice Topix ficou em alta de 0,08% aos 1.960. O XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,19% aos 7.281. O Kospi, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,37% aos 3.252. O Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,37% aos 17.083. O FTSE Straits, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,79% aos 3.175.

As importações da China cresceram em seu ritmo mais rápido em 10 anos em maio, impulsionadas pelo aumento dos preços das commodities, enquanto as exportações não atingiram as expectativas. Os  números seguiram impactados pela Covid-19.

A balança comercial da China subiu 28,2% ano a ano nos primeiros cinco meses de 2021, alcançando 14,76 trilhões de yuans (cerca de US$ 2,31 trilhões). Isso marca um aumento de 21,6% ante o mesmo período em 2019, informou a Administração Geral das Alfândegas (AGA).

As exportações saltaram 30,1% em relação ao ano anterior, enquanto as importações subiram 25,9% em termos de yuan.

As exportações e importações aumentaram 23,6% e 19,2%, respectivamente, em comparação com os dados registrados nos primeiros cinco meses de 2019.

No período de janeiro a maio, o superávit comercial aumentou 56,2% ano a ano, alcançando 1,32 trilhão de yuans.

As reservas cambiais da China aumentaram em maio, com o dólar americano desvalorizado ante as outras principais moedas e elevou o valor dos títulos não dólares do país. Os títulos de divisas da China totalizaram US$ 3,2218 trilhões no final de maio, um aumento de US$ 23,6 bilhões, ou 0,74%, ante o mês anterior, mostraram os dados do Banco Popular da China.

No Japão, a bolsa de Tóquio ficou em alta, mesmo com as medidas restritivas para conter a pandemia de coronavírus.

O índice Coincidente, que consiste em uma série de dados incluindo produção da fábrica, emprego e vendas no varejo, ganhou 2,6 pontos nas preliminares em relação ao mês anterior para 95,5 em abril, disse o Gabinete do Governo.

O índice dos principais indicadores econômicos, que mede a economia alguns meses à frente e é compilado com base em dados como ofertas de emprego e sentimento do consumidor, subiu 0,6 ponto, para 103,0.

Entre as ações com ganhos em Tóquio ficaram as da Kawasaki Kisen, alta de 5,51%, as da Olympus Corp, alta de 5,16%, as da Ricoh Co., alta de 3,34%. Na contramão ficaram as ações da JFE Holdings, queda de 7,20%, as da Nippon Steel, queda de 5,74%, as da Kobe Steel, queda de 5,20%, as da Komatsu, queda de 4,02%, e as da Japan Steel, queda de 3,55%.

*Tradução ID com ags. Xinhua da China e Reuters

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?