Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Plano & Plano se prepara para IPO na B3

Data de criação:

access_time 16/09/2020 - 10:43

Data de atualização:

access_time 16/09/2020 - 10:43
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A Plano & Plano se prepara para o desembarque na bolsa de valores de São Paulo. Será realizada uma oferta primária proporcionalmente pequena, de apenas de 4.256.000 ações enquanto a oferta secundária será próxima de 60 milhões de ações.

Considerando o preço da oferta no centro da faixa indicativa (R$ 13,50), sem considerar a colocação das ações adicionais e das ações suplementares, a companhia pretende levantar R$ 50.494.774 em recursos líquidos.

De acordo com a companhia, os recursos serão pulverizado em 40% para a aquisição de terrenos e 60% para composição do capital de giro.

A oferta secundária será realizada por todos os sócios: Rodrigo Uchoa Luna, Rodrigo Fairbanks Von Uhlendorff e Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações. O controle permanecerá com estes acionistas mesmo após a diluição da oferta.

Na data do prospecto, o capital social da companhia era de R$ 60,2 milhões, representado por 200 milhões de ações ordinárias. Após a oferta, o número total de ações da empresa será de 204.256.000 e o capital social será de R$ 117.677.642 levando em conta o preço da ação de R$ 13,50.

Na hipótese de colocação mínima e máxima de ações, o free float será de
31,25% e 42,19%, respectivamente.

Faixa indicativa de preço: R$ 11,75 a 15,25
Preço médio: R$ 13,50
Oferta primária: 4.256.000 ações
Oferta secundária: 59.574.000 ações
Opção de ações suplementares: até 15%, 9.574.500 ações
Ações adicionais: até 20%, 12.766.000 ações
Valor mínimo de reserva: R$ 3 mil
Valor máximo de reserva: R$ 1 milhão
Público-alvo: investidores institucionais e não institucionais

Perfil

A Plano & Plano foi fundada em São Paulo (capital), em 1997, por Rodrigo Luna. No mesmo ano, Rodrigo Fairbank von Uhlendorff também ingressou no quadro de acionistas.

No ano seguinte, começou a construção de 12 torres residenciais na zona norte da cidade. Em 2002, foram entregues outras 580 unidades residenciais e as atividades começaram a se expandir para o interior do estado paulista.

Em 2006, a Cyrela formou uma joint venture com a companhia, dando origem ao atual formato societário. Este novo sócio de peso agregou muita expertise à operação, além de dar todo suporte financeiro e permitir melhores condições de acesso ao crédito imobiliário.

Desde 2001, a empresa trabalha com a Caixa no modelo de crédito associativo e, em 2004, inovou através do primeiro caso de repasse na planta com agente financeiro privado (Vero City América). Mas o grande salto operacional aconteceu a partir da adesão ao Minha Casa Minha Vida, em 2009.

Em 2005, uma boa base de terrenos havia sido adquirida, permitindo à companhia entregar 2.900 unidades econômicas em 2011, marco importante em sua história. No ano seguinte, a companhia desenvolveu um novo método de construção voltado a este tipo de produto, além de iniciar a venda direta de imóveis.

Desde então, a companhia vem se especializando e crescendo no segmento de baixa renda, conquistando diversos prêmios do setor nos anos que se seguiram.

Governança

Rodrigo Luna e Rodrigo Fairbanks detém 28,57% e 21,43% do capital da companhia, respectivamente, além de pertencerem ao Conselho e à Diretoria enquanto a Cyrela concentra os outros 50%.

Considerando a colocação máxima de ações, as respectivas participações cairão para 16,52%, 12,39% e 28,91%, restando o free float de 42,19% no Novo Mercado.

Outros dois importantes executivos da Cyrela, membros independentes, completam o Conselho.

Modelo de Negócio

A Plano & Plano é uma empresa imobiliária focada no segmento “econômico” e de baixa renda na cidade de São Paulo, fornecendo unidades residenciais de até R$ 240 mil financiadas em cerca de 99% pelo programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) / Faixa 2, enquadrado dentro do Sistema Financeiro de Habitação (“SFH”) e, portanto, bastante dependente dos repasses da CEF.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?