Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Reações positivas nas bolsas asiáticas

Data de criação:

access_time 10/03/2020 - 09:36

Data de atualização:

access_time 10/03/2020 - 09:36
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários voltaram para o positivo nesta terça-feira, depois da escorregada de ontem em todas as bolsas de ações do mundo. Além do coronavírus, o mau humor foi puxado também com a disputa entre a Arábia Saudita e a Rússia nas questões ligadas ao petróleo.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em alta de 1,41% a 25.392 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 2,42% a 1.887. O índice Xangai ficou em alta de 1,82% a 2.996. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,80% a 2.832. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,85% aos 19.867. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 3,11% a 5.939. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,42% a 1.962. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,24% aos 11.003.

A recuperação de hoje se dá com a proposta de governos na liberação de mais aportes para conter o avanço da doença.  O índice regional de ações MSCI Asia Pacific fechou com alta de 0,60%.

Ontem, o presidente Donald Trump disse que planeja pedir ao Congresso um corte de impostos e outras medidas rápidas para aliviar a dor de o surto de vírus, que segue contaminando mais cidadãos ao nos Estados Unidos. A mesma decisão também deverá ser anunciada pelo primeiro-ministro do Japão Shinjo Abe.

Em Tóquio, entre as ações com ganhos ficaram as da Nippon Sheet Glass, alta de 5,51%, as da Mitsubishi Estate, alta de 4,285 e as da Nec Corp, alta de 3,93%. Na contramão ficaam as ações da Inpex Corp, queda de 4,33%, as da Ebara Corp, queda de 3,53%, as da IHI Corp., queda de 3,36%.

Na China, os dados divulgados mostraram que a inflação ao consumidor desacelerou, levemente, passando de 5,4% em janeiro para 5,2% em fevereiro. Já os preços ao produtor tiveram queda anual de 0,4% em fevereiro, voltando a mostrar deflação à medida que as fábricas suspenderam operações por causa do coronavírus.

Os rebotes de terça-feira seguiram a maior queda de um dia em Wall Street desde a crise global de 2008. Os preços do petróleo também se recuperaram de uma queda recorde.

Na China, os preços do produtor em fevereiro caíram 0,4% em relação ao ano anterior, mostraram dados oficiais na terça-feira, voltando ao território deflacionário quando o surto de coronavírus atingiu a atividade comercial.

Os preços ao consumidor subiram 5,2% em relação ao ano anterior, contra um aumento de 5,4% em janeiro e um aumento de 5,2%, sugerido por economistas na pesquisa.

A China trancou Wuhan e algumas cidades na província de Hubei, o epicentro do surto, e impôs restrições em outras cidades para conter a propagação do vírus a partir do final de janeiro. As medidas provavelmente levaram a uma grande desaceleração na segunda maior economia do mundo no primeiro trimestre, dizem analistas.

Tradução ID de agências internacionais e relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?