Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Títulos públicos semestre com rentabilidade positiva

Data de criação:

access_time 09/07/2020 - 16:28

Data de atualização:

access_time 09/07/2020 - 16:28
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA
Mesmo com  a queda nos dos ativos no início da crise, os títulos públicos fecharam a primeira metade do ano com rentabilidade positiva. De acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – ANBIMA, o maior retorno ficou com as NTN-Bs de até cinco anos, representadas pelo IMA-B-5, com 3,17%. O IMA-Geral, que reflete todos os títulos públicos, somou 1,87% no período.
“Os impactos econômicos da pandemia em março contribuíram para a redução da taxa de juros, que já operava na mínima histórica. Esse movimento, combinado à redução da volatilidade em maio e junho, reverteu parte da desvalorização dos preços dos ativos e a maioria deles encerrou o semestre com retornos positivos”, explica Hilton Notini, gerente de Preços e Índices.

Os títulos com vencimento acima de cinco anos e indexados ao IPCA, representados pelo IMA-B 5+, chegaram a ter ganho de quase 6% entre abril e junho, mas encerraram o semestre com perda de 5,26%.”O baixo desempenho dos papéis com prazos maiores reflete a incerteza dos investidores em relação ao ambiente econômico de longo prazo”, comenta Hilton.

Os papéis pré-fixados também tiveram resultados positivos. O IRF-M, composto por LTNs e NTN-Fs, fechou o semestre com 4,86%. O subíndice com papéis de prazo maior que um ano, IRF-M 1+, rendeu 6,03% e o IRFM-1, com papéis com prazo inferior a um ano, fechou o período em 2,60%. O IMA-S, que reflete os títulos indexados à taxa Selic, teve rentabilidade de 1,72%.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?