Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street bate recorde com a China no destaque central

Data de criação:

access_time 02/01/2020 - 19:24

Data de atualização:

access_time 02/01/2020 - 20:24
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os pesos pesados de Wall Street engataram recordes nesta primeira sessão de 2020, depois do fechamento do ano com os melhores desempenhos desde 2013. Todos os movimentos nos mercados acionários foram embalados pela decisão do Banco do Povo da China, que anunciou injeção de bilhões de dólares para estimular a economia do país.

Ao final, o Dow Jones ficou em alta de 1,16% aos 28.868 pontos. O S&P fechou em alta de 0,84% aos 3.257 pontos. O Nasdaq subiu 1,33% aos 9.092 pontos.

O Banco do Povo (PBoC) cortou a taxa de recolhimento compulsório dos bancos de 13% para 12,5%, como objetivo de reforçar a economia na oferta de crédito doméstico. A decisão do PBoC injetará mais de 800 bilhões de yuans (US $ 114,9 bilhões) no sistema financeiro. Ainda sobre a gigante chinesa, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump confirmou a assinatura do acordo “Fase 1” no próximo dia 15 na Casa Branca e disse também que planeja visitar Pequim para iniciar negociações sobre a “Fase 2”.

Nesta segunda-feira, as ações de tecnologia tiveram os melhores desempenhos, como o Fundo SPDR em alta de 1,88%, seguido pelo setor industrial medido pelo Fundo SPI, alta em 1,89%

As ações da Apple Inc. subiram 2,3% e ajudaram a impulsionar o Dow Jones. As da Boeing subiram 2,3%, as ações da Advanced Micro Devices Inc. subiram 7,1%.

Nos Estados Unidos, o índice Gerente de Compras – PMI de Manufatura do IHS Markit, ajustado sazonalmente, ficou em 52,4 em dezembro, um pouco abaixo de 52,6 em novembro e de acordo com o flash figura. Os dados mais recentes indicaram uma melhora modesta na saúde do setor manufatureiro. O último trimestre, a média de 2019 foi de fato a mais forte desde a abertura três meses do ano.

Nos Estados Unidos, os cortes de empregos anunciados pelos empregadores caíram pelo segundo mês consecutivo para 32.843, o menor total mensal desde que 27.122 cortes anunciados em julho de 2018, de acordo com um relatório divulgado nesta quinta-feira pela empresa global de Challenger, Gray & Christmas, Inc. O total do mês passado é 26,3% menor que os 44.569 cortes anunciados em novembro e 25,2% menor que os 43.884 anunciados no mesmo mês do ano passado.

Nos Estados Unidos, na semana que terminou em 28 de dezembro, os pedidos iniciais de auxílio desemprego, com ajuste sazonal, ficaram 222 mil, queda em 2 mil do nível revisado da semana anterior [224 mil]. A média móvel de quatro semanas foi 233.250, alta em 4.750 em relação à média revisada da semana anterior. Os números foram apresentados hoje pelo Departamento do Trabalho.

Com esses resultados, o Departamento destacou como o nível mais alto para essa média desde 27 de janeiro de 2018, quando eram 235.750. A média da semana anterior foi de revisado em 500 de 228.000 para 228.500.

Tradução ID de agências internacionais e relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?