Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street devolve com Fed, balanços corporativos e COVID-19

Data de criação:

access_time 19/05/2020 - 19:28

Data de atualização:

access_time 19/05/2020 - 19:28
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices da bolsa de Nova York voltaram para campo negativo nesta terça-feira. Os investidores mantiveram as atenções na divulgação de um relatório questionando os efeitos da vacina contra o coronavírus divulgados ontem pela Moderna Inc..  As apresentações do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e do secretário do Tesouro, Steve  Mnuchin, ao Congresso norte-americano também ficaram entre os destaques, bem como os resultados financeiros de duas gigantes varejistas.

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 1,59% aos 24.206 pontos. O S&P ficou em queda de 1,05% aos 2.922 pontos. O Nasdaq ficou em queda de 0,54% aos 9.185 pontos.

Os investidores acompanharam as declarações de duas horas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, ao Comitê Bancário do Senado sobre por que o pacote de alívio econômico aprovado de US$2 trilhões ainda não foi gasto. O auxílio tem como objetivo prestar assistência às pequenas empresas e indivíduos que foram afetados pelos bloqueios para combater a pandemia da COVID-19.

O chefe do Fed sugeriu que os legisladores, em vez de formuladores de políticas monetárias, precisam fazer mais para apoiar uma economia que provavelmente está em meio a uma profunda recessão. “Como sociedade, devemos fazer tudo o que pudermos para proporcionar alívio àqueles que sofrem pelo bem público”, disse Powell.

Em parte, o clima de alta foi ofuscado com a informação da STAT, da Boston Globe Media, que colocou em dúvida os resultados da vacina contra o coronavírus da Moderna Inc.. Os resultados preliminares de um ensaio clínico, “Fase 1”, para os oito candidatos foram anunciados ontem e ajudaram a sustentar os ganhos em todos as bolsas de ações do mundo.

Por fim, o presidente Donald Trump surgiu com novas ameaças contra a Organização Mundial da Saúde. Trump, que segue buscando culpados pela pandemia, ameaçou cortar para sempre o financiamento dos Estados Unidos para a OMS. Trump acusou a organização de cooperar com a China para minimizar a magnitude do surto de coronavírus em seus estágios iniciais. O presidente assinou uma ordem executiva para tornar permanentes centenas de medidas de desregulamentação tomadas durante a pandemia de coronavírus.

No cenário corporativo, os resultados financeiros das gigantes varejistas, Walmart e Home Depot, também não saíram do foco.

O Walmart Inc viu as ações caindo 2,12%, depois da anunciar que as vendas no primeiro trimestre superaram as estimativas. Nas vendas de comércio eletrônico o aumento foi de 74%. Mas a gigante do varejo também gastou quase US $ 900 milhões em despesas relacionadas ao coronavírus durante o primeiro trimestre, dizendo que poderá sentir os efeitos no próximo trimestre.

As ações da Home Depot Inc caíram 3%, depois que o varejista de artigos para o lar relatou um lucro fiscal no primeiro trimestre que não atendeu às expectativas, embora a receita e as vendas nas mesmas lojas subissem mais do que o previsto.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones ficaram as da Intel Corp, alta de 0,62%, as da Nike, alta de 0,52%, e as da Rautheon Technologies, alta de 0,07%. Na contramão ficaram as ações da Boeing, queda de 3,69%, as da Chevron, queda de 3,17%, as da Exxon Mobil, queda de 3,09%, e as da Procter&Gamble, queda de 3,24%.

Nos Estados Unidos, o Departamento de Censo e o Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano anunciaram conjuntamente as novas estatísticas de construção residencial para abril de 2020.

As autorizações de licenças para construção em abril estavam a uma taxa anual ajustada sazonalmente de 1.074 milhão. Isso é 20,8% (± 0,9%) abaixo da taxa revisada de março de 1.356 milhão e é 19,2% (± 0,9%) abaixo da taxa de abril de 2019 de 1.330 milhão. As autorizações unifamiliares em abril foram de 669 mil, isso é 24,3% (± 1,6%) abaixo do número revisado de 884.000 em março. As autorizações para construções de edifícios com cinco unidades ou mais foram de 373 mil em abril.

Por Ivonéte Dainese com relatórios oficiais e agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?