Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street fecha com ganhos moderados

Data de criação:

access_time 01/10/2020 - 18:08

Data de atualização:

access_time 01/10/2020 - 18:08
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A bolsa de valores de Nova York fechou com ganhos moderados nesta quinta-feira, com os investidores elevando as expectativas sobre um acordo entre os legisladores para  aprovar o pacote de estímulo fiscal no Congresso.

Ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,13% aos 27.816 pontos. O S&P subiu 0,53% aos 3.380 pontos. O Nasdaq subiu 1,42% a 11.362 pontos.

Nesta sessão, os dados do setor de trabalho, com o recuo nas solicitações de auxílio-desemprego, também ficaram no radar. De acordo com o Departamento do Trabalho, o resultado é o mais baixo desde o início da pandemia de coronavírus.

Analistas do Goldman Sachs, em um relatório recente, classificaram a perspectiva de uma nova rodada de estímulo fiscal antes do final do ano como “improvável” e disseram que se os democratas da Câmara votassem em um pacote e fracassassem, isso sinalizaria o fim das negociações com a Casa Branca.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego registrados por meio de programas estaduais caíram para 837 mil na semana encerrada fechada em 26 de setembro, ante 873 mil revisados ​​na semana anterior.

A euforia com a campanha política segue elevada nos Estados Unidos, com responsáveis por redes sociais anunciando ferramentas para impedir o avanço de “ fake news”, como as que surgiram depois do primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump. O candidato democrata foi vítima de enxurrada de notícias falsas.

Por fim, entre as ações com ganhos estavam as da General Motors Co., ganho de 2,7%, depois que a montadora disse que havia “sinais de recuperação” na indústria automotiva e destacou suas vendas de setembro.

Nos Estados Unidos, os empregadores anunciaram mais 118.804 cortes de empregos em setembro, com bares, restaurantes, hotéis e parques de diversões liderando o grupo em meio à demanda lenta, vários meses depois que a pandemia de COVID-19 atingiu o país.

As demissões relatadas pela empresa global de recolocação Challenger, Gray & Christmas aumentaram 2,6% em relação a agosto e impulsionaram o total de cortes de empregos neste ano até agora para um recorde de 2,082 milhões. O recorde anual anterior foi de 1,957 milhão em 2001. Os cortes de empregos totalizaram 497.215 no terceiro trimestre, queda de 59,8% em relação ao segundo trimestre.

O índice IHS Markit, sazonalmente ajustado, de Manufatura – PMI postou 53,2 em setembro, amplamente em linha com 53,1 visto em agosto, mas ligeiramente abaixo da leitura ‘flash’ anterior de 53,5. A sólida melhoria na saúde do setor de produção de bens foi a mais acentuada desde janeiro de 2019 e sinalizou uma nova recuperação em relação ao mês de abril.

*Por Ivonéte Dainese de relatórios oficiais e com agências

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?