Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street fecha em alta com a reabertura de algumas regiões

Data de criação:

access_time 05/05/2020 - 17:53

Data de atualização:

access_time 05/05/2020 - 17:53
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices de peso de Wall Street fecharam com ganhos nesta terça-feira, a segunda sessão consecutiva, com os investidores entusiasmados com a flexibilização das restrições para a reabertura dos negócios em várias regiões dos Estados Unidos e também na Europa. Além disso, os sinais de que uma vacina, ainda em fase de testes, estaria sendo aplicada em pessoas para impedir a disseminação da pandemia de COVID-19 também ajudaram no humor de hoje.

Ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,56% aos 23.883 pontos. O S&P ficou em alta de 0,90% aos 2.868 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 1,13% aos 8.809 pontos.

Ainda nesta sessão, a recuperação nos preços do petróleo e a temporada de balanços financeiros também ajudaram.

Hoje, os investidores descolaram das informações sobre a tensão crescente entre a China e os Estados Unido. A expectativa segue para a reabertura da economia norte-americana.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, disse ontem que as de lojas de roupas e demais varejistas poderão abrir na próxima sexta-feira (08).

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, que é o epicentro da COVID-19 nos Estados Unidos, reiterou seu pedido de ajuda federal um dia depois de traçar um caminho para reabrir parte do estado. Cuomo enfatizou que as decisões se resumem a quanto vale a vida humana. “Vamos ser honestos e dizer às pessoas que é uma troca”, disse sobre o número econômico e humano.

Na Alemanha, a primeira-ministra Angela Merkel também está permitindo a reabertura de alguns segmentos.

Sobre a vacina, de acordo com o Wall Street Journal, os pesquisadores da Universidade de Nova York e da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland disseram que estão começando a testar uma vacina em pessoas.

Os testes são os esforços mais recentes na busca da cura para a doença que infectou mais de 3,6 milhões em todo o mundo e matou mais de um quarto de milhão de vidas desde que surgiu em Wuhan, na China, em dezembro, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Por fim, o preço do petróleo intermediário bruto – WTI para entrega em junho ficou em alta de 20,50% a US$24,58 o barril. O excesso de oferta e queda na demanda puxaram os preços para baixo em abril.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones ficaram as da Pfizer, alta de 2,37%, as da UnitedHealth Group, alta de 1,91%, a Nike, alta de 1,69%, e as da Chevron, alta de 1,59%. Na contramão ficaram as da Boeing, queda de 4,61%, as da Walt Disney, queda de 2,05%, e as do McDonald’s, queda de 1,45%.

Nos Estados Unidos, o Census Bureau e o Departamento de Análises Econômicas anunciaram que o déficit de bens e serviços foi de US $ 44,4 bilhões em março, alta de US $ 4,6 bilhões em relação a US $ 39,8 bilhões em fevereiro, revisado. As exportações de março foram de US $ 187,7 bilhões, US $ 20,0 bilhões a menos do que as exportações de fevereiro. As importações de março foram de US $ 232,2 bilhões, US $ 15,4 bilhões a menos do que as importações de fevereiro.

Nos Estados Unidos, o índice PMI de Serviços da IHS Markit final, ajustado sazonalmente, ficou em 26,7 em abril, abaixo dos 39,8 em março e um pouco menor do que o publicado anteriormente no ‘flash’ de 27,0.

Nos Estados Unidos, o relatório pelo Institute for Supply Management – ISM registrou 41,8%, 10,7 pontos percentuais abaixo do 52,5% em março, leitura que representa contração no setor não-manufatureiro e é a mais baixa da leitura desde março de 2009 (40,1%).

Nos Estados Unidos, o Índice de Otimismo Econômico do IBD / TIPP, uma das principais pesquisas nacionais sobre confiança do consumidor, aumentou 4,0% em maio, depois de cair 11,3% em abril e 9,9% em março.

Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?