Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street fecha em alta com ata do Fomc e indicadores

Data de criação:

access_time 01/07/2020 - 19:30

Data de atualização:

access_time 01/07/2020 - 19:30
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices de peso de Wall Street fecharam com ganhos nesta quarta-feira, com apenas o Dow Jones recuando. Os investidores concentraram as atenções nos sinais de recuperação econômica. Além disso, a promessa do Federal Reserve, contida na ata do Comitê de Mercado Aberto, Fomc, de que mais apoio está no caminho também ajudou a elevar os ânimos.

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,30% aos 25.734 pontos. O S&P ficou em alta de 0,50% aos 3.115 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 0,95% aos 10.154 pontos.

O Dow Jones fechou o segundo semestre com ganho de 17,8%, o melhor trimestre desde 1987. O S&P 500 subiu quase 20%, marcando o seu melhor desde 1998. O Nasdaq Composite subiu quase 31% no trimestre para o melhor resultado desde 1999.

A agenda de hoje revelou que o emprego e o setor manufatureiro estão com reações positivas, mesmo quando quase 12 estados norte-americanos retomaram as medidas de isolamento e os planos para permitir que mais empresas reabrissem.

Os investidores analisaram a ata da reunião de junho do Fed, onde o Comitê Federal de Mercado Aberto, concordou em fornecer clareza nas medidas futuras sobre o motivo que levou o banco central em manter as taxas próximas a zero ou elevá-las. Naquela reunião dos dias 09 e 10 de junho, o Fomc manteve as taxas dos fundos federais entre 0% e 0,25% e sinalizou que poderia manter os níveis até pelo menos 2022.

Os membros do Fomc também discutiram o controle da curva de rendimentos, uma estratégia de manter uma taxa fixa para rendimentos que implicaria limitar a dívida de curto e médio prazo em um nível satisfatório, o que seria um suporte adicional ao mercado em meio à crise COVID-19.

O destaque entre as ações ficou com a Pfizer Inc, alta de 3,18%, com os resultados positivos de seu ensaio clínico para uma vacina da COVID-19. A gigante disse que todos os 24 participantes do estudo haviam desenvolvido anticorpos neutralizantes, mas os dados não foram revisados ​​por pares. A parceria da Pfizer é a alemã BioNTech.

As ações da FedEx subiram 11,7%, depois que a empresa de entregas e logística reportou lucro e vendas ajustados melhores do que o esperado em seu quarto trimestre fiscal. O aumento das compras on-line, em meio à pandemia de coronavírus, compensaram os custos mais altos e margens mais reduzidas.

As ações da Apple Inc., caíram 0,18%, depois que a gigante fechou mais 30 de suas lojas nos Estados Unidos. Ao todo, a Apple já fechou 77 lojas por conta do avanço nos casos de coronavírus.

Sobre indicadores

Nos Estados Unidos, o emprego no setor privado aumentou em 2.369 milhões de maio a junho, de acordo com o relatório da empresa de processamento ADP National Employment Report. As contratações para pequenas empresas aumentaram no mês de junho.

Nos Estados Unidos, os cortes de empregos anunciados pelos empregadores norte-americanos atingiram 1.238.364 no segundo trimestre, o maior total trimestral já registrado, de acordo com um relatório mensal divulgado pela empresa global de outplacement e coaching de negócios e coaching Challenger, Gray & Christmas, Inc.

Nos Estados Unidos, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit registrou 49,8 em junho, um aumento recorde de 10,8 pontos em relação a 39,8 em maio, para sinalizar a desaceleração geral da fabricação. O último número também foi ligeiramente superior à leitura ‘flash’ lançada anteriormente de 49,6.

Veja mais detalhes aqui

*Por Ivonéte Dainese de relatórios oficiais e com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?