Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street fecha em queda com tecnologia e títulos

Data de criação:

access_time 30/03/2021 - 17:54

Data de atualização:

access_time 30/03/2021 - 17:56
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices de peso de Wall Street recuaram nesta sessão. As ações de tecnologia perderam força e os investidores acompanharam os rendimentos dos Treasuries de 10 anos avançando.

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,31% aos 33.066 pontos. O S&P caiu 0,32% aos 3.958 pontos. O Nasdaq ficou em queda de 0,11% aos 13.045 pontos.

O rendimento do Treasury de 10 anos foi negociado acima de 1,77% pela primeira vez desde janeiro de 2020, mas terminou estável em torno de 1,72%, com base nos dados da Tradeweb. A alta pesou no dólar americano e pesou nas ações.

Analistas observam que rendimentos mais altos indicam temores crescentes de que o Federal Reserve possa se mover mais rápido do que sinalizou se a inflação subir de nível, colocando um fim às políticas monetárias extremamente acomodatícias que têm impulsionado os mercados desde o início da pandemia.

Entre as ações de tecnologia com perdas no Dow Jones ficaram as da Apple, caindo 1,23%, e a Microsoft,  perdendo 1,44%.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones estavam as do Goldman, alta de 1,93%, JP Morgan, alta de 1,18%, American Express, alta de 0,79%, Caterpillar, alta de 1,24%, e Boeing, alta de 0,59%. Na contramão estavam as ações da Cisco Systems,queda de 1,43%, Coca-Cola, queda de 1,30%, Amgen, queda de 2,04%, Merck&Co, queda de 1,71%,  e Procter&Gamble, queda de 1,54%.

Nos Estados Unidos, o índice dos preços das casas subiu em todo o país em janeiro, 1,0% em relação ao mês anterior, de acordo com o último levantamento do Housing Finance Agency.

O índice S&P CoreLogic Case-Shiller, cobrindo todas as nove divisões do censo, relatou um ganho anual de 11,2% em janeiro, ante 10,4% no mês anterior.

O índice Conference Board Consumer Confidence subiu em março para sua maior leitura em um ano, depois de um aumento modesto em fevereiro. O Índice agora está em 109,7, acima dos 90,4 em fevereiro.

O Índice da Situação Atual – com base na avaliação dos consumidores sobre as condições atuais do mercado de trabalho e negócios – subiu de 89,6 para 110,0.

O Índice de Expectativas – com base nas perspectivas de curto prazo dos consumidores para renda, negócios e condições do mercado de trabalho – também melhorou, de 90,9 no mês passado para 109,6 em março.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?