Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street fica de lado com COVID-19 no foco

Data de criação:

access_time 11/05/2020 - 18:48

Data de atualização:

access_time 11/05/2020 - 18:48
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices de peso de Wall Street fecharam sem direção nesta segunda-feira. Os investidores estão ansiosos para a retomada da economia, mas com uma série de obstáculos pela frente.

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,45% aos 24.221 pontos. O S&P ficou em estável aos 2.930 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 0,78% aos 9.192 pontos.

Embora com o otimismo do governo americano sobre a recuperação econômica, os casos da COVID-19 avançaram no país e em outros da Ásia, Europa e também no Brasil.

Nos Estados Unidos, os especialistas estão alertando o governo americano de que o fim dos bloqueios poderá colocar a população novamente em risco.

Christopher Murray, diretor do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington, disse que seu estudo agora prevê 137.184 mortes. Isso é superior às 134.475 mortes projetadas em 4 de maio.

Murray disse que o ligeiro aumento foi devido aos casos e mortes acima do esperado em Illinois, Arizona, Flórida e Califórnia. Esses aumentos foram parcialmente compensados ​​por melhores notícias de Nova Jersey e Nova York.

Hoje, além da COVID-19, os investidores ficaram atentos para notícias corporativas, temporada de resultados as ações de tecnologia com a maioria dos americanos trabalhando em casa. Nesta sessão, as ações financeiras recuaram no Dow Jones.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones ficaram as da Pfizer, alta de 2,36%, as da Apple, alta de 1,57%, as da Microsoft, alta de 1,12%, as da Home Depot, alta de 0,91%, e as da Nike, alta de 0,52%. Na contramão ficaram as ações da American Express, queda de 4,66%, as da Boeing, queda de 3,39%, as da Caterpillar, queda de 3,12%, e as da Chevron, queda de 2,20%.

Nos Estados Unidos não foram apresentados indicadores.

Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?