Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street recua com atenção vírus da China e atenção para os balanços

Data de criação:

access_time 20/02/2020 - 18:42

Data de atualização:

access_time 20/02/2020 - 18:42
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os índices de peso da bolsa de Nova York devolveram as altas nesta quinta-feira, depois das perdas mais acentuadas pela manhã. Os investidores seguiram tentando encontrar mais detalhes sobre o avanço do COVID-19

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,44% aos 29.219 pontos. O S&P ficou em queda de 0,38% a 3.373 pontos. O Nasdaq ficou em queda de 0,67% aos 9.750 pontos.

Depois de alguma animação nos últimos dias com os relatórios financeiros das grandes empresas, a disseminação do COVID-19 é mais lenta, mas segue em especulação quanto aos prejuízos para a economia global. O nervosismo persistente em torno do impacto da epidemia na China.

Hoje, uma informação da Agência de Notícias Yonhap, Coreia do Sul, disse que a infecção fez a primeira vítima, e o prefeito da cidade sul-coreana de Daegu pediu que seus 2,5 milhões de pessoas se abstenham de sair, de acordo com a Associated Press. Os relatórios indicam que os casos da doença na Coreia do Sul mais que dobraram para 104 em um dia, com 35 casos adicionais surgindo em Daegu.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones ficaram as da Home Depot, alta de 1,39%, as da Cisco Systems, alta de 1,21%, as da Procter & Gamble, alta de 0,91%, e as da Merc & Co, alta de 0,60%. Na contramão ficaram as ações da Apple, queda de 1,03%, as da Pfizer, queda de 1,05%, as Microsoft, queda de 1,53%, e as do Goldman Sachs, queda de 1,94%.

As ações de tecnologia foram as mais penalizadas, como as da Intel Corp, queda de 2,47%, além da Apple e  Microsoft Corp, entre outras, com exposição à China e à fabricação na Coreia do Sul. O índice de dólar, DXY, subia 0,19% e estava perto dos 100 pontos pressionando os exportadores, já que a moeda era vista como um porto seguro.

Nos Estados Unidos, os pedidos iniciais de auxílio desemprego para a semana que terminou em 15 de fevereiro, com ajuste sazonal, ficou em 210 mil, alta de 4 mil em relação ao nível revisado da semana anterior.  A taxa de desemprego segurado, com ajuste sazonal, foi de 1,2% na semana encerrada em 8 de fevereiro, inalterada em relação à taxa não revisada da semana anterior.

Nos Estados Unidos, o Índice Econômico Líder (LEI) do Conference Board aumentou 0,8% em janeiro para 112,1, depois de um declínio de 0,3% em dezembro e um aumento de 0,1% em novembro.

O Índice Econômico Coincidente (CEI) aumentou 0,1% em janeiro para 107,3, após nenhuma alteração em dezembro e um aumento de 0,4% em novembro.

O Índice Econômico de Retardo da Conferência (LAG) permaneceu inalterado em janeiro em 108,7, após um declínio de 0,1% em dezembro e um aumento de 0,3% em novembro.

Tradução ID de relatórios oficiais e de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?