Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street renova alta com Trump e a medicação da Gilead

Data de criação:

access_time 17/04/2020 - 19:17

Data de atualização:

access_time 17/04/2020 - 19:17
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os pesos pesados de Wall Street subiram nesta sexta-feira, depois que o sentimento do investidor foi impulsionado pelas notícias de um possível tratamento para a doença de COVID-19 e com o governo Trump anunciando diretrizes para reabrir a economia.

Ao final, o Dow Jones ficou em alta de 2,99% aos 24.242; o S&P ficou em alta de 2,68% aos 2.874; e o Nasdaq, alta de 1,38% aos 8.650. Na semana, o Dow ganhou 2,2%, o S&P avançou 3% e o Nasdaq subiu 6,1%.

O bom humor foi atribuído às informações do site de mídia Stat News, que indicou resultados promissores para um medicamento usado para tratar a COVID-19, a doença que já matou mais de 140 mil pessoas em todo o mundo e forçou o fechamento de boa parte dos Estados Unidos e também do mundo.

Pesquisadores da Universidade de Chicago Medicine observaram “recuperações rápidas” em 125 pacientes que sofriam da COVID-19 que estavam tomando o GILD da Gilead Sciences Inc, que é um remédio experimental e faz parte de um ensaio clínico, de acordo com as informações divulgadas ontem à noite.

Sobre os indicadores dos Estados Unidos, mais de 22 milhões de americanos perderam o emprego no mês passado, de acordo com o Departamento de Trabalho, provavelmente elevando a taxa de desemprego para cerca de 15%, ante 3,5% em fevereiro.

Já o otimismo, além do tratamento, surgiu quando o presidente Donald Trump esboçou nesta quinta-feira (16) um processo em três fases para reabrir a economia dos Estados Unidos e colocando as decisões nas mãos dos governadores.

“Os Estados Unidos querem ser abertos, e os americanos querem ser abertos”, disse Trump aos repórteres na Casa Branca, acrescentando depois: “Precisamos ter uma economia funcional e queremos recuperá-la muito, muito rapidamente”.

Não há um cronograma certo para a estratégia divulgada, mas, na primeira fase, cinemas, restaurantes, instalações esportivas, locais de culto, academias e outros locais poderiam reabrir com as diretrizes de distanciamento social em vigor. Enquanto isso, viagens, bares e escolas não essenciais poderiam ser reiniciadas com limitações na segunda fase; enquanto outras restrições seriam lentamente eliminadas na fase final.

Entre as ações com ganhos no Dow Jones ficaram as da Boeing, alta de 14,72%, as da Exxon Mobil, alta de 10,40%, as da Chevron, alta de 8,98% e as do JPMorgan, alta de 8,99%. Na contramão ficaram as ações da Apple, queda de 2,64%, as da Intel Corp, alta de 0,71% e as do Walmart, queda de 0,16%.

O índice Conference Board, que é um dos Principais Indicadores Econômicos, mostrou uma queda recorde de 6,7% em março, a última rodada de dados sombrios que refletem o número de coronavírus.

*A bolsa de Nova York segue operando no remoto.

Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?