Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Wall Street renova perdas com COVID-19

Data de criação:

access_time 26/02/2020 - 19:09

Data de atualização:

access_time 26/02/2020 - 19:09
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A bolsa de Nova York fechou em queda nesta quarta-feira. Os investidores mantiveram as liquidações com o coronavírus chegando forte na Europa. O dia foi de atenção pela decisão do presidente Donald Trump, junto com demais autoridades federais de saúde, que vai discutir medidas ainda mais contundentes para coibir a entrada do vírus.

Ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,46% aos 26.957 pontos. O S&P ficou em queda de 0,38% a 3.116 pontos. O Nasdaq subiu 0,17% aos 8.980 pontos.

O driving do mercado foi mesmo o coronavírus, com as infecções avançando na China e também o número de mortos fora e dentro daquele país.

Enquanto os investidores apontam para sinais encorajadores de que os bancos centrais e os formuladores de políticas podem estar mais dispostos a empregar estímulos econômicos para amortecer o golpe do vírus, o número de casos confirmados e mortes fora da China continua a aumentar, principalmente na Itália, Irã, Japão e Sul Coréia.

Já nos Estados Unidos, as ações estenderam as perdas, depois que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças disseram que os americanos devem se preparar para a disseminação do coronavírus.

Se o coronavírus, que adoeceu mais de 80 mil pessoas, se espalhar pelos Estados Unidos, como as autoridades de saúde alertam, as empresas voltadas ao consumidor serão as primeiras a serem atingidas, já que seus clientes se isolam e evitam espaços públicos, disseram especialistas nesta quarta-feira.

Nos Estados Unidos, o Censo e o Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano anunciaram conjuntamente as novas estatísticas de vendas residenciais para janeiro de 2020.

As vendas de novas casas unifamiliares em janeiro estavam com uma taxa anual ajustada sazonalmente de 764 mil, isso é 7,9% (± 17,8%) acima da taxa revisada de dezembro de 708 mil e 18,6% (± 19,2%) acima da estimativa de 644 mil em janeiro de 2019. As baixas taxas de hipoteca ajudaram a aumentar a atividade de compra de casa.

Tradução ID de relatórios oficiais e de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?